Representação Política e a Monarquia Tradicional – parte 02

Por Ibsen Noronha

familia-orando-cuadro1

O pensamento tradicional radica sua compreensão da vida social em termos que poderíamos chamar de organicidade.A mais viva de todas as sociedades é a Família. A natureza humana tende para a vida em Família. A nossas disposições de espírito são – de certo modo – espontaneamente familiares: o respeito dos pais aos filhos; a compreensão; a dedicação; o auxílio mútuo; enfim o amor familiar, que chega ao seu auge na Família Católica!

Continue lendo “Representação Política e a Monarquia Tradicional – parte 02”

Anúncios

Representação Política e a Monarquia Tradicional – parte 01

Por Ibsen Noronha

10377240_820024308036636_6163074362836348731_n

Os Professores Cabral de Moncada e Galvão de Sousa, que terão o seu pensamento revisitado nessa tarde, são lídimos representantes de dois florões do pensamento jurídico luso-brasileiro. Cabral de Moncada foi catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, a Alma Mater do ensino jurídico no Brasil; Galvão de Sousa, por sua vez, formou-se e ensinou na tradicional Faculdade de Direito do Largo São Francisco em São Paulo.

A obra dos dois pensadores é de grande quilate. A mera alusão a alguns dos títulos serve de norte para o nosso tema.

Continue lendo “Representação Política e a Monarquia Tradicional – parte 01”

Arte e Cultura: a era dos homens-ocos.

Por Michael Amorim.

os macaquinhos

   Peça intitulada “Macaquinhos”, exploração do corpo (mas precisamente do anus) alheio.

Dói meu coração ver coisas banais e abjetas tratadas como arte, coisas totalmente efêmeras que pecam tanto em perenidade como em beleza. Infelizmente, em nome de uma agenda revolucionária rejeita-se a produção artística de qualidade. Bons artistas são rejeitados enquanto obras de pouco valor estético e nenhuma transcendência infestam museus e ocupam espaço absoluto nas universidades, tornando-se a principal ocupação dos inteligentinhos acadêmicos que, apesar do pedantismo, são mais toscos que o Urinol de Duchamp.

Continue lendo “Arte e Cultura: a era dos homens-ocos.”

Machado de Assis e a Prosa Impressionista – parte 01.

machado-de-assis-vida-e-obras-do-escritor

O termo “impressionismo”, aplicado primeiro à pintura de Monet e à música de Debussy, passou a designar também uma das correntes literárias do tardio Oitocentos. A princípio, chamou-se de impressionista apenas a écriture artiste dos irmãos Edmond (1822-1896) e Jules (1830-1870) de Goncourt. A “escrita artística” é a linguagem vibrátil de romances como Germinie Lacerteux (1865), nos quais os diálogos e descrições, convertidos em “estenografia ardentes”, procuram grafar a aparência vívida da realidade humana.

Continue lendo “Machado de Assis e a Prosa Impressionista – parte 01.”

Ideologia de Gênero: mitos e realidades – Elvis Amsterdã.

Elvis Amsterdã do Nascimento Pachêco graduou-se em Filosofia pela Universidade Federal do Maranhão, com monografia sobre Mário Ferreira dos Santos (o maior filósofo brasileiro). Trabalhou como professor de várias instituições, como UFMA, UEMA, IFMA e SENAC. Em 2016 esteve como conferencista no histórico I Encontro da Juventude Conservadora da UFMA, veja o vídeo acima.

Vaticano II, um Concílio diferente dos outros.

cvII50annidopo.jpg

A história da Igreja Católica encontra-se no centro da história universal, devido ao papel fundamental que a Igreja desempenha na condução das almas e na edificação das civilizações. Deste ponto de vista, não espanta que os concílios ecumênicos – que constituem uma das mais altas expressões da vida social da Igreja – tenham enorme importância na história universal. Se a Igreja tem uma relação íntima com a história da humanidade, um concilio ecumênico terá com a referida história uma relação comparável àquela que tem com a Igreja.

Continue lendo “Vaticano II, um Concílio diferente dos outros.”

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑